Canva-Landing-Page-Earth-Day-top-banner

One Print. One Tree

Faça impressões sem culpa. Para cada pedido de impressão feito com o Canva, nós plantamos uma árvore: uma ideia simples com um impacto enorme.

O nosso impacto até o momento

2,7 milhões
de árvores plantadas
5,7 milhões
de árvores a serem plantadas no total
3.846
pessoas beneficiadas
4.457
hectares a serem recuperados
Person planting tree sapling in soil

Como funciona

  1. O seu pedido dá direito a uma árvore. Sempre que fizer um pedido de impressão no Canva, uma árvore será plantada numa das nossas 18 localidades distribuídas em 11 países.
  2. A sua árvore ganha um lar. A Reduce. Reuse. Grow. (RRG), uma organização reconhecida de reflorestação, encontra o lugar ideal para plantar a sua árvore, contribuindo para a restauração da vida silvestre e da biodiversidade.
  3. A sua árvore é plantada. Agricultores e membros de comunidades locais plantam a sua árvore, o que devolve a vitalidade à paisagem para poderem praticar uma agricultura mais sustentável.

Porquê plantar árvores?

O Canva assumiu a missão de ajudar a recuperar o planeta para que agricultores e membros de comunidades locais possam praticar uma agricultura mais sustentável.

Através da plantação e da proteção de árvores, favorecemos a capacidade de retenção hídrica, a biodiversidade e a proteção de habitats, além de criar oportunidades agrícolas e agroflorestais.

Man in blue t-shirt carrying young tree to plant
Man planting trees in Mt Sinaka

O que estamos a plantar?

Estamos a plantar espécies nativas com o intuito de restaurar ecossistemas essenciais cuja integridade está ameaçada.

Para promover a diversidade da vegetação, plantamos mais de 205 espécies de árvores nativas, desde tipos diferentes de Ficus até leguminosas como Afzelia quanzensis.

O que estamos a fazer para proteger as espécies em perigo de extinção?

As árvores plantadas como parte do programa “Uma Impressão, Uma Árvore” também ajudam a proteger espécies ameaçadas de extinção através da conservação de seus habitats.

Este é o ponto central do nosso local de plantação de árvores nas Filipinas, que está a ajudar as comunidades locais a encontrar habitats para espécies em perigo de extinção, como a águia-filipina e o crocodilo-filipino.

Grassy hill in foreground with city behind
A photo of a Philippine Eagle soaring in the sky, wings stretched out

Conservação da águia-filipina

Fizemos uma parceria com a Philippine Eagle Foundation para proteger a águia-filipina, que está ameaçada de extinção. Estamos determinados em garantir a sobrevivência desta espécie, a proteger a biodiversidade que ela representa e a zelar pela utilização sustentável dos recursos florestais para que estes continuem disponíveis para as gerações futuras.


A águia-filipina, chamada assim por ser a ave nacional das Filipinas, é uma das águias mais raras do mundo. Trata-se de uma espécie de ave de rapina classificada como em perigo crítico de extinção segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), havendo estimativas de que restam apenas 400 pares destes animais na natureza. Estas águias, que só têm a floresta como lar, sofrem ameaças diárias à sua sobrevivência devido às atividades antrópicas.


Infelizmente, o desmatamento ilegal e o uso irresponsável de recursos provocaram o desaparecimento do seu habitat florestal, resultando na morte de pelo menos uma águia-filipina por ano. A perda de áreas florestais está a levar as águias-filipinas a se afastarem dos seus locais típicos de caça em busca de presas adequadas. Esta espécie de ave tão rara e majestosa só pode ser encontrada nas Filipinas, pelo que a sua extinção representaria a perda de um património biológico precioso do nosso planeta.

Conheça as comunidades

Moraharivo, Madagáscar

Os parceiros da nossa campanha de plantação de árvores estão a trabalhar para recuperar os valiosos mangais na região do rio Betsiboka. No passado, o estuário do rio Betsiboka estava protegido pelos mangais, que abrigavam uma variedade de habitats para espécies únicas da fauna e da flora. Durante séculos, a população local, os malgaxes, contaram com peixes e crustáceos que habitam esses ecossistemas como importantes fontes de alimentação sustentável. Os sistemas radiculares profundos dos mangais também são vitais para evitar erosões e estabilizar o terreno nas regiões costeiras.

  • Tipo de reflorestação: mangues
  • Área: 872 hectares
  • Árvores por hectare: 10 000
  • Hectares restaurados em 2021: 20
  • Carbono removido por hectare: 840 toneladas métricas
  • Estimativa do total de carbono removido: 16 800 toneladas métricas
OnePrintOneTree_Madagascar
OnePrintOneTree_Mozambique

Mahubo, Moçambique

Localizado no distrito de Boane, a região de Mahubo tem uma área de aproximadamente 82 km. A aldeia local é composta por mais de 100 mil pessoas, sendo que a maioria delas depende da agricultura como forma de subsistência. Essa área sofreu uma perda massiva da vegetação de mangais devido à exploração de carvão vegetal e madeira. O Canva vai recuperar uma área de aproximadamente 20 hectares plantando mais de 200.000 plantas nativas dos mangais, especificamente as espécies Rizhopora, Ceriops e Bruguiera.

  • Tipo de reflorestação: mangues
  • Área: 645 hectares
  • Árvores por hectare: 10 000
  • Hectares restaurados em 2021: 20
  • Carbono removido por hectare: 840 toneladas métricas
  • Estimativa do total de carbono removido: 16 800 toneladas métricas

Kitiligini, Quénia

Ao norte de Nairobi, capital do Quénia, a vila de Kijabe encontra-se às margens do Grande Vale do Rifte. A área é conhecida pelo seu terreno seco e íngreme e pela vegetação da zona afro-tropical. Esta floresta única do Quénia abriga diversas comunidades rurais que dependem do ecossistema local para se sustentar e para manter a economia local. Devido ao desmatamento, principalmente relacionado à extração de carvão vegetal, o solo está muito degradado. Os nossos parceiros responsáveis pela restauração da região vão utilizar diversos métodos de reflorestação, incluindo a regeneração natural administrada por agricultores (FMNR, na sigla em inglês), para recuperar a área.

  • Tipo de reflorestação: vegetação da zona afro-tropical
  • Área: 1493 hectares
  • Árvores por hectare: 2500
  • Hectares restaurados em 2021: 20
OnePrintOneTree_Kenya
OnePrintOneTree_AquinBay

Baía de Aquin, Haiti

O desmatamento desenfreado para lenha e madeira para construções dizimou os mangais ao longo da região costeira do Haiti. A poluição, o aumento do nível do mar e os furacões também desempenharam um papel na destruição dos ecossistemas dos mangais, bloqueando ou interrompendo o fluxo das marés. A reflorestação da costa sul é crucial não só para o ecossistema em si, mas para a saúde e segurança das comunidades locais. A reconstituição da vegetação dos mangais irá ajudar a proteger a população local das forças destrutivas dos furacões que muitas vezes atingem o Haiti.

  • Tipo de reflorestação: mangues
  • Área: 338 hectares
  • Árvores por hectare: 10 000
  • Hectares restaurados em 2021: 9
  • Carbono removido por hectare: 840 toneladas métricas
  • Estimativa do total de carbono removido: 7560 toneladas métricas

Filipinas

No início do século passado, 70% das Filipinas estavam cobertas por florestas, mas essa percentagem diminuiu drasticamente, representando não mais que 18,3% nos dias de hoje. Isto deve-se, em grande parte, ao desmatamento e à degradação do solo, que tiveram consequências devastadoras para a biodiversidade. Com mais de 123 mil hectares de cobertura florestal destruídos nas Filipinas a cada ano, as florestas remanescentes poderiam desaparecer até o ano de 2036.

Com mais de 20 mil espécies nativas, as Filipinas são reconhecidas como um dos 17 países que, combinados, possuem dois terços da diversidade biológica do planeta.

Por este motivo e porque as Filipinas são uma parte fundamental da família Canva (afinal, a nossa maior equipa externa encontra-se em Manila), somos levados a agir. Através deste programa, a comunidade do Canva pode fazer a diferença no mundo todo e no seu próprio entorno.

OnePrintOneTree_By the numbers
Aspas
“O meu pai ensinou-me que se cortares a tua floresta, ela vai voltar para te destruir. Atiras a lança, mas acertas sempre numa pedra. Eu estou a proteger esta floresta. As pessoas vêm até aqui para roubar as nossas árvores e eu digo-lhes: “Só por cima do meu cadáver.” A floresta é muito importante para a nossa comunidade. Só através da proteção da floresta é que podemos sobreviver de forma autónoma com o que a terra nos dá e não necessitamos de nada de outros locais."

Jean Zamanjisy

Líder da comunidade de Antanamarina, Madagáscar

Perguntas frequentes

Não, não somos nós que estamos a plantar as árvores. Fizemos uma parceria com a Reduce. Reuse. Grow. Inc. (RRG), uma empresa de serviços relacionados com a sustentabilidade que desenvolve programas que têm como objetivo compensar os impactos causados pelas indústrias de impressão, bens de consumo embalados e tecnologia.


Em nome do Canva, a RRG vai administrar o processo de plantação de árvores. Ao trabalhar nestes países, o Canva busca não apenas contribuir para combater as mudanças climáticas, recuperando florestas e mangais responsáveis por remover o carbono presente na atmosfera, mas também gerar benefícios ecológicos e sociais para as populações locais.


Os nossos parceiros que estão envolvidos nestes programas de recuperação empregam membros das comunidades locais para trabalhar nas atividades de plantação e proteção florestal, o que gera um impulso económico na região.

A RRG está a administrar o processo de plantação de árvores em nome do Canva e selecionará os lugares mais apropriados para plantar de entre diversas opções no mundo todo. A cada ano, pretendemos ampliar o número de regiões de plantação.

Estes lugares foram escolhidos porque nos permitem potencializar os benefícios ambientais resultantes das nossas ações e gerar impactos positivos para os habitantes das regiões que recuperamos.


É essencial estabelecer um compromisso e trabalhar em conjunto com as comunidades locais para que o esforço de reflorestação seja bem-sucedido e seu resultado perdure. Os nossos parceiros utilizam a metodologia de “Empregar para plantar”, que visa favorecer os membros das mesmas comunidades locais que o projeto beneficia. Com um emprego fixo, as pessoas com menos recursos dessas regiões passam a ter condições de pagar por artigos de primeira necessidade, como alimentos, alojamento, roupas e medicamentos, e de usufruir dos benefícios que uma floresta protegida traz para o sustento da sua comunidade.

À medida que nosso programa for crescendo, em parceria com a RRG, iremos selecionar novas regiões para serem reflorestadas em diferentes partes do mundo.

A RRG garante que será feita a plantação de árvores nativas apropriadas para a região. Os nossos parceiros nunca irão plantar ou introduzir espécies de plantas invasoras. Nalguns casos, o projeto poderá incluir a plantação de uma percentagem de espécies agroflorestais para utilização sustentável da comunidade.

Isto depende da região em que estamos a plantar. Podem vir de viveiros comerciais ou da colheita direta de sementes. Para este primeiro ano, a maioria das sementes vai ser colhida por membros das comunidades locais em florestas remanescentes próximas. Se for necessário suplementar as sementes colhidas, iremos comprá-las em bancos de sementes locais de confiança. Todas as mudas utilizadas são cultivadas por parceiros de viveiros locais selecionados para garantir a qualidade e boas taxas de germinação.

A maioria dos projetos impulsionados pelo Canva são realizados em terras do governo que estão sob a autoridade direta das comunidades locais. Alguns dos nossos projetos de agroflorestas de pequena escala no Haiti estão em terras privadas e propriedade dos agricultores.

As árvores são propriedade das comunidades locais que participaram ativamente na recuperação da floresta local. A exceção são as espécies agroflorestais plantadas em terras propriedade de agricultores locais. Nesses casos, os agricultores são os proprietários das árvores e dos seus subprodutos.

A RRG tem uma rede de parceiros a trabalhar em conjunto com membros das comunidades locais com o objetivo de organizar equipas para a plantação das árvores. O nosso objetivo é plantar árvores, mas também contribuir para aliviar a extrema pobreza nessas regiões. As pessoas que vivem abaixo do limiar de pobreza nessas comunidades vão passar a ter um trabalho fixo e a poder garantir uma fonte de rendimento estável para si e para as suas famílias.

Os métodos de plantação que utilizamos incluem a regeneração natural selecionada ou gerida por agricultores, bolas de sementes, viveiro de mudas, transplante de raízes nuas e plantação de propágulos de espécies de mangais.

O quanto antes. Considere que pode demorar cerca de três meses até que a sua árvore seja plantada na terra. Vai depender do país e da adequação da época para realizar a plantação.

Vamos fazer todos os esforços possíveis para garantir que as florestas que recuperarmos sejam permanentes e sustentáveis.


Para tal, os nossos parceiros trabalham com as diversas esferas governamentais para garantir acordos por escrito que estabelecem as regiões de recuperação como áreas protegidas de forma permanente. Além disso, não plantamos árvores em áreas de extração. As equipas de trabalho contratam membros das comunidades locais para realizar a plantação de modo a haver um incentivo económico e a garantia de continuidade do projeto de recuperação. Também são fornecidas a essas pessoas fontes alternativas de combustível (fogões a lenha ou solares parabólicos eficientes), o que reduz e/ou elimina a sua dependência do carvão natural. Por último, são contratados guardas florestais como parte da força de trabalho envolvida no projeto. Um dos nossos parceiros, a Eden Restoration, criou recentemente um fundo de donativos para a proteção das florestas, segundo o qual um cêntimo do preço de cada árvore é colocado num fundo para a proteção e cuidado a longo prazo das regiões de reflorestação.

Uma percentagem da mortalidade das mudas e propágulos é inevitável. O que a RRG descobriu é que a mortalidade destas plantas se torna irrelevante à medida que a regeneração natural vai ocorrendo e amplificando o resultado da reflorestação. Nas regiões de mangais, a regeneração natural normalmente excede 200% o número original de espécies plantadas. O mesmo se aplica às regiões secas com espécies caducas em Madagáscar.

Até 1 de agosto de 2022, já tínhamos plantado 2,4 milhões de árvores. E como nos comprometemos a plantar mais árvores, esse número continua a crescer.

Não. O nosso papel provém de fontes sustentáveis, independentes dos nossos projetos de reflorestação.