Como Criar um Plano de Estudos para Passar no ENEM

screen (2)

O primeiro passo para conquistar a aprovação dos seus sonhos é preparar um planejamento detalhado.

Você decidiu mergulhar nos estudos para conquistar sua aprovação no ENEM? Parabéns, esse é um excelente começo!

Estudar a grade curricular do Ensino Médio requer tempo e foco, por isso você deve ter uma programação detalhada. A cada conteúdo aprendido, você ficará ainda mais perto do seu curso universitário.

Confira o guia completo que nós preparamos especialmente para você. Nele, você encontrará informações sobre a prova e os assuntos mais cobrados, a forma como você será avaliado, dicas de estudo e — é claro — como reunir tudo isso em um plano de estudos perfeito.

Conteúdo

1. Conheça a estrutura do ENEM e entenda como o conteúdo é cobrado

Para preparar seu plano de estudos, o primeiro passo é conhecer as matrizes de referência do INEP. Apesar do nome complicado, elas são muito didáticas e descrevem bem o que as universidades brasileiras esperam de você: o domínio de competências e habilidades essenciais para as quatro áreas do conhecimento do Ensino Médio:

  • Matemática e suas Tecnologias
  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias

Além dos quatro campos de estudo acima, você também precisa se preparar para elaborar uma redação, demonstrando que é capaz de expor suas ideias a respeito de um tema utilizando a norma culta da língua portuguesa.

Ao analisar as matrizes de referência, você perceberá que o Exame foca em estudos interdisciplinares, ou seja, que mesclam mais de uma matéria. Por exemplo, não basta você saber Química e deixar Biologia de lado: você tem que reconhecer os assuntos como parte de um universo do saber.

“Céus, como vou conseguir aprender tudo isso em tão pouco tempo?” — Calma, você não precisa se desesperar.

É verdade que o ideal é que você estude toda a grade do Ensino Médio, mas você pode usar o tempo e as estatísticas a seu favor priorizando os assuntos mais cobrados.

Você também estará à frente da concorrência se entender como funciona a avaliação das suas respostas na prova. O Exame conta com um mecanismo de atribuição de pesos às questões que você responde, conhecido como Teoria de Resposta ao Item (TRI).

O TRI é um sistema que utiliza dados estatísticos e teorias matemáticas para classificar seus erros e acertos na prova em diferentes níveis: fácil, médio e difícil. Com essa aplicação, não basta que você tenha um bom desempenho em número de questões, pois você também é avaliado pelo grau de dificuldade de cada resposta.

Se você tiver uma performance boa em questões difíceis, mas não for tão bem nas perguntas fáceis, a TRI reduz o peso dos acertos, pois existe uma probabilidade alta de que você tenha “chutado” as respostas. No mesmo sentido, acertar muitas perguntas básicas vai elevar sua nota, já que isso demonstra que você domina a matéria.

E como você faz para saber quais partes da prova deve prestar mais atenção? Bem, você não faz. Não se preocupe em classificar a prova por conta própria, porque você vai acabar desperdiçando um tempo precioso. No grande dia, você deve se dedicar a todas as questões da mesma forma.

A grande diferença está na forma como você elabora seu plano de estudos. Dedique um tempo maior para aprender o essencial de cada uma das matérias. Dessa forma, você aumenta suas chances de ter um bom desempenho na parte fácil do Exame. Só avance para a parte mais complicada do conteúdo quando você dominar o básico.

Para que você entenda melhor quais são os assuntos mais cobrados no ENEM e como suas respostas serão avaliadas, nós preparamos um infográfico com todos os detalhes. Confira abaixo:

infografico do enem 1

Infográfico do ENEM. Douglas Baldan/Canva

infografico do tri enem 2

Infográfico do TRI. Douglas Baldan/Canva

2. Prepare um material de estudos completo

Agora que você já leu as matrizes de referência e também sabe quais são os pontos mais cobrados nas questões do ENEM, chegou a hora de procurar seu maior parceiro nessa jornada: o material de estudos.

Todas as fontes de conhecimento e ferramentas de apoio que você utilizar fazem parte desse conjunto, como:

  • Livros e apostilas
  • Aulas presenciais
  • Videoaulas
  • Cadernos de anotações
  • Listas de exercícios
  • Jornais e revistas
  • Aplicativos e jogos educativos

Cada uma dessas formas de aprendizado tem níveis diferentes de importância para a sua preparação, a depender do tempo que você tem disponível, da disciplina abordada, bem como das suas preferências pessoais na hora de estudar.

Quanto mais variado for o seu repertório de estudos, melhores são as suas chances de absorver o conteúdo e ter um bom desempenho na hora da prova. Por isso, combine a leitura de livros e apostilas, assista aulas de todos os tipos, faça anotações e resolva exercícios, acompanhe os temas atuais no noticiário e — por que não? — aprenda brincando.

Uma das formas melhores formas de memorizar o conteúdo é combinar a parte teórica da matéria com a aplicação prática. Isso quer dizer que quando você ler uma apostila ou assistir a uma aula, você pode otimizar a fixação do que aprendeu resolvendo exercícios, por exemplo.

Se você estuda em uma escola ou curso preparatório, é bem provável que você já tenha uma boa base de materiais de estudo. No entanto, se você vai se preparar por conta própria, você pode encontrar uma variedade enorme de apostilas e videoaulas na internet.

Independente da forma como você vai se preparar para a prova, o seu maior objetivo nesta etapa deve ser o de reunir um material completo, que ofereça todas as condições para você ter o desempenho necessário para conquistar sua aprovação.

Organização

3. Analise sua rotina e monte um cronograma de estudos para o ENEM

Em uma rápida pesquisa na internet, você consegue encontrar vários cronogramas prontos para se preparar para o ENEM. Mas será que eles servem para você?

É bem provável que não. Uma programação bem-feita deve levar em consideração sua rotina, suas obrigações e necessidades, assim como os horários em que você se sente melhor para estudar. Ninguém conhece as suas aptidões tão bem quanto você, por isso o ideal é que você prepare seu próprio plano de estudos.

Só assim você vai poder ter certeza de que a sua tabela prioriza os assuntos que você sente mais dificuldade, estabelecendo horários compatíveis com seu dia a dia e sua disposição para estudar.

Além disso, cada técnica de estudo envolve períodos e condições diferentes. Para produzir um resumo, você vai precisar de algumas horas e um espaço confortável; já a resolução de questões ou a memorização com flashcards pode ser feita até pelo celular, durante o intervalo para o almoço ou uma viagem no transporte público, por exemplo.

Em outras palavras, é mais difícil conquistar a aprovação no curso dos seus sonhos utilizando uma tabela de estudos que não foi feita especificamente para você. Portanto, use os cronogramas prontos da internet apenas como inspiração para criar seu próprio plano.

Na hora de trabalhar no roteiro da sua preparação, você precisa destinar períodos específicos para três pilares do aprendizado:

  • Teoria
  • Prática/Exercícios
  • Revisão

Muitos estudantes têm o hábito de programar apenas a leitura da parte teórica e a resolução de questões de vestibulares, mas você não pode se esquecer da revisão.

Se você só ler, assistir às aulas e resolver os exercícios, corre o risco de esquecer até 80% das informações que estudou em apenas 24 horas. Assustador, não? Por isso, é importante que você reveja periodicamente tudo o que aprendeu.

Simplificando, você precisa de um plano de estudos que seja compatível com a sua realidade e que te dê condições de abordar e revisar todo o conteúdo na medida do tempo que você tem disponível.

4. Aprenda a estudar todos os tipos de conteúdo e diversifique seus métodos

Você pratica todas as matérias da mesma forma? Bem, pode até ser legal manter um padrão de estudos, mas você terá um desempenho melhor se escolher métodos específicos para cada matéria.

Quando você for se dedicar à Matemática, não precisa reinventar a roda. O caminho para o seu sucesso é resolver a maior quantidade de exercícios possível, sempre comparando suas respostas e seus cálculos com o gabarito e as dicas de professores. Dessa forma, você vai conseguir memorizar fórmulas, compreender os conceitos e desenvolver seu raciocínio lógico.

Para aprender os temas de Linguagens, você terá que se esforçar para fazer a leitura dos conteúdos. Como essas disciplinas envolvem descrição de regras gramaticais e movimentos literários, bem como interpretação de texto, você precisa tirar um tempinho para ler… bastante. Os exercícios também vão ajudar você a fixar os assuntos, mas podem ser usados em menor escala do que no caso da Matemática, por exemplo.

Na hora de praticar as Ciências da Natureza, você vai perceber que será necessário se dedicar tanto à leitura e à resolução de exercícios, de maneira proporcional. Boa parte das competências e habilidades desta área estão relacionadas à compreensão de eventos naturais, portanto não basta que você domine só a teoria ou pratique só as fórmulas.

No caso das Ciências Humanas, as questões do ENEM costumam relacionar temas da atualidade com eventos históricos. Você não precisa se preocupar tanto em decorar datas específicas, mas é muito importante dominar a cronologia dos grandes acontecimentos e ter noções de geopolítica. Além da leitura do conteúdo, você também precisa acompanhar os noticiários. Para praticar seus conhecimentos, você pode responder questões de provas anteriores e preparar mapas mentais.

Ah, e não se esqueça da Redação! Apesar dos professores de cursos presenciais e virtuais — assim como os livros — apresentarem técnicas de escrita, só a prática vai deixar você em condições de alcançar a nota 1000. Mais do que escrever sobre vários temas, você também precisa conhecer seus erros e acertos, por isso vale a pena contratar um serviço de correção ou pedir a um amigo para dar um feedback sobre sua produção.

Certo, agora você conhece as formas clássicas de aprendizado de cada matéria. No entanto, se você ainda tiver um tempinho sobrando, vá além! Existem várias técnicas complementares de estudo — flashcards, mapas mentais e jogos educativos são bons exemplos — e praticá-las vai ajudar muito a sua memorização, além de deixar as atividades menos monótonas.

Plano de estudos

5. Use o Canva para criar um plano de estudos personalizado

Agora que você já sabe o que precisa estudar e como fará a abordagem ao conteúdo do ENEM, você pode colocar a mão na massa e criar um cronograma personalizado com o Canva.

O Canva é uma ferramenta de edição e design online com recursos intuitivos, que facilita o acesso de qualquer pessoa à produção de artes gráficas de forma rápida e gratuita. Nossa plataforma também oferece funcionalidades que auxiliam as atividades de estudantes, professores, designers, fotógrafos, empreendedores e profissionais liberais.

Para elaborar seu plano de estudos para o ENEM, você só precisa clicar em um dos modelos gratuitos abaixo. Você pode customizar sua tabela como preferir, com elementos gráficos da biblioteca, imagens próprias e outros recursos de edição, como fontes, cores e panos de fundo.

Bons designs!

Sua arma secreta para criar designs deslumbrantes